Chile: Mais de 90% dos chilenos exigem mudanças
 
93,2% querem mudanças: este é o resultado de um plebiscito que consultou cerca 500 mil pessoas. Renata Giraldi, da Agência Brasil. Fonte: Jornal Brasil de Fato
 

O  Conselho Social da Educação do Chile informou que dados preliminares indicam que  93,2% dos chilenos querem mudanças no sistema educacional. Este é o resultado do plebiscito realizado no país que perguntou aos eleitores sobre eventuais mudanças no ensino. Cerca de 500 mil pessoas votaram.

A questão do ensino no Chile é alvo de protestos constantes há cerca de cinco meses, com críticas e reivindicações frequentes. Estudantes e professores defendem que o ensino superior seja gratuito. Atualmente, todas as universidades no Chile são privadas. Também há cobranças para ampliar os investimentos nos ensinos básico e fundamental.

O presidente do Teachers College (o equivalente ao sindicato nacional dos professores), Jaime Gajardo, disse que 91,5% dos eleitores querem que os ensinos primário e secundário sejam responsabilidade da União e não dos municípios, como é atualmente. Para Gajardo, os resultados do plebiscito mostram que o governo do presidente Sebastián Piñera deve tomar providências.

Na próxima semana, os resultados completos do plebiscito serão entregues a Piñera. Paralelamente, a Federação de Estudantes do Chile (Confech) anunciou que serão feitas manifestações nos dias 18 e 19 em Santiago e nas principais cidades chilenas. Os recentes protestos organizados por estudantes são analisados como os mais intensos desde que acabou a ditadura militar no país (1973-1990).

*Com informações da Telesur, Venezuela

 
 
ver todos os artigos