Quem governa a Alemanha são os mercados financeiros
 
Se a sra. Merkel e o presidente do Deutschebank se reúnem para discutir, quem manda?, questiona Klaus Ernst, copresidente do Die Linke alemão. Em entrevista ao Esquerda.net, ele defendeu a separação do financiamento dos Estados dos mercados financeiros privados, através da criação de um banco público para os empréstimos públicos. Fonte: Esquerda.net
 
Klaus Ernst: Os cidadãos da Europa não deviam pagar estas altas taxas de juros aos bancos privados. Foto de Paulete Matos

Como vê o Die Linke as causas e as saídas para a crise europeia?

Para nós, há duas causas da crise na Europa. A crise dos mercados financeiros, levou os Estados a salvar os bancos. Mas os Estados, sem dinheiro, pediram aos bancos dinheiro emprestado para salvar os próprios bancos. Para nós, uma solução é separar o financiamento dos Estados e o da banca privada. Defendemos a ideia de criação de um banco público para os empréstimos públicos aos Estados europeus, financiado diretamente pelo Banco Central Europeu. Desta maneira, os Estados seriam independentes e livres das altas taxas de juros, que são nada mais que uma manifestação da especulação.

A segunda causa da crise é o desequilíbrio comercial na Europa entre os estados. O dumping salarial e social na Alemanha conduz a um superávit na exportação, a Alemanha exporta muito mais que importa. Nos últimos dez anos, este superávit da Alemanha frente a Portugal era de 210 mil milhões de euros, o que logicamente significa problemas para Portugal, para Espanha, Itália, Grécia... Todos estes países mencionados têm problemas de financiar a sua importação.

Por isso, é necessário pôr fim ao dumping salarial na Alemanha. O que a senhora Merkel e o senhor Sarkozy agora querem decretar para o resto da Europa é outra onda de dumping salarial, cortes sociais, cortes das pensões e de todos os gastos sociais. Isto é um perigo para toda a Europa, e significa nada mais que submeter a democracia aos mercados financeiros. É um perigo para a existência da democracia. E por isso digo claramente que, neste momento, a senhora Merkel é a mulher mais perigosa da Europa.

Discutimos alternativas possíveis que resumiria em dois pontos: aumento salarial na Alemanha, regular os mercados financeiros; separar o financiamento dos Estados dos mercados financeiros privados.

Poderia explicar como vê o papel do Banco Central Europeu?

Na Alemanha, as dívidas públicas aumentaram em 250 mil milhões devido a este pacote de auxílio à banca privada. Isto corresponde a 5/6 do orçamento total da Alemanha. Todos sabemos que os Estados não têm dinheiro, e por isso viram-se obrigados a pedir emprestado o dinheiro para salvar a banca. Pedem emprestado o dinheiro dos bancos para salvar os próprios bancos, com uma taxa de juros muito elevada. A taxa de juros da Grécia é de dois dígitos, a da Itália de 7%. Isto significa que os cidadãos da Europa pagam aos bancos taxas de juros altíssimas – aos bancos que não existiriam sem os pacotes de resgate dos Estados. Os mesmos bancos que recebem o dinheiro do BCE a uma taxa baixa, de 1 - 1,5%.

Os juros altos provocam mais desequilíbrio nos orçamentos dos Estados e é esta situação que queremos mudar com a criação de um banco público que faça os empréstimos aos Estados europeus. Um banco público que se financie no BCE com juros baixos de 1 - 1,5%, entregando este dinheiro aos Estados a uma taxa também muito reduzida. Desta maneira podíamos evitar todo o tipo de especulação contra o euro. E os cidadãos da Europa não deviam pagar estas altas taxas de juros aos bancos privados.

Aonde quer chegar a sra. Merkel? À explosão do euro? À expulsão de países do euro?

A sra. Merkel está sob pressão também. Ela não quer mudar nada na indústria financeira. Ela quer ter uma política de estabilizar todo o sistema bancário e os seus lucros. Mas é verdade que neste momento se discute na Alemanha a saída da Grécia do euro. Alguns também já discutem a expulsão da Grécia, apesar de isso não estar previsto nos acordos europeus. Mas a senhora Merkel não é aqui a pessoa atuante. Na Alemanha, quem governa são os mercados financeiros, são eles que determinam o ritmo de ação.

Agora, depende do critério da indústria financeira. Se eles considerarem que a melhor forma de resolver o problema é a expulsão da Grécia ou de outros países, sim, isso vai acontecer. Depende do seu critério. É sempre muito simples. Se a sra. Merkel e o presidente do Deutschebank se reúnem para discutir, quem manda?

Como vê o povo alemão a crise nos países europeus? Acha os povos da Grécia, da Irlanda, da Itália como preguiçosos e perdulários?

Na Alemanha se propagou uma imagem, um estado de ânimo, também pela sra. Merkel e multiplicado pela imprensa sensacionalista, que diz que os gregos são perigosos, que se reformam muito cedo, têm salários demasiado altos, e vivem acima das suas possibilidades. Esta é a imagem espalhada pela imprensa e pelo governo. Também dizem que os gregos enganam Bruxelas quando se trata de entregar as estatísticas. Com referência a Espanha e Portugal, dizem menos. Mas a tendência fundamental é a mesma. A tendência é que digam que a crise é dos orçamentos de estado, porque os Estados mencionados gastaram demasiado em relação às suas receitas. Nós do Die Linke sabemos e dizemos que não é assim. Sabermos que a população grega trabalha mais que na Alemanha, se reforma mais tarde. Nós sabemos perfeitamente. Nas discussões no Parlamento nós mostrámos esses dados.

Por isso achamos que é tão importante deixar bem claro que a chave para a solução do problema é o equilíbrio da balança comercial entre os países. E que a política de austeridade que a sra. Merkel, o sr. Sarkozy e outros impõem a países como a Grécia ou Portugal não resolve os problemas, e põe em perigo todo o euro. Os estados não têm só um problema de muitas dívidas, têm um problema de receitas demasiado limitadas. Por isso, nós na Alemanha exigimos um imposto maior sobre os grandes patrimónios.

Recentemente subiram ao poder na Grécia e na Itália governos chamados tecnocráticos, que tiveram o apoio dos governos alemão e francês. Mas, como esses governos não foram eleitos por ninguém, isso não põe em causa própria democracia?

Precisamente, essa é a nossa crítica. Nós dizemos que essa é uma forma de deixar de lado a democracia. Podemos falar de um tipo de chantagem executado pelos governos alemão e francês, implementando governos cumpridores das receitas destes governos. Mas Merkel e Sarkozy governam não de acordo aos interesses da sua população, mas sim em função dos mercados financeiros. De facto, neste momento, na Europa, vemos que ocorre pelo menos uma restrição da democracia.

 
 
ver todos os artigos