Protestos contra despejos tomam ruas de diversas cidades da Espanha
 
Milhares de pessoas se manifestaram no sábado (16) em pelo menos 50 cidades da Espanha contra os despejos, um drama cada vez mais frequente no país. “Resgatem as pessoas, não os bancos” foi uma das frases mais gritadas durante as manifestações.
 
18/02/2013 A jornada de protestos foi convocada pela organização PAH (Plataforma de Afetados pela Hipoteca), criada em 2009, ano seguinte à crise imobiliária. Os manifestantes pedem uma nova lei de moradia para evitar o despejo de proprietários ou inquilinos que não podem pagar hipotecas. De acordo a uma estimativa feita no ano passado, desde 2007 mais de 350 mil famílias foram vítimas de execuções hipotecárias que conduziram a 170 mil despejos. Diversos suicídios foram registrados no último ano, com o agravamento da crise. Em Madri, cidade mais afetada, com mais de nove mil despejos apenas em 2011, o protesto encheu a Puerta del Sol, lugar onde milhares de jovens acamparam durante as manifestações dos “indignados” em 2011 e 2012. Em Barcelona, os protestos também reuniram uma multidão. Um projeto de lei de moradia promovida pela PAH, por meio da Iniciativa Legislativa Popular (ILP), recebeu assinaturas de apoio de mais de 1,4 milhão de pessoas. Após aprovação do PP (Partido Popular), que possui maioria absoluta no Congresso, o projeto, que visa evitar os despejos, será debatido no parlamento espanhol. Em entrevista recente ao Opera Mundi, a líder da PAH, Ada Colau, afirmou que “os direitos se conquistam quando os cidadãos se mobilizam”. *Com informações da multiestatal Telesur e do Esquerda.net
 
 
ver todos os artigos