Derrame tóxico na Hungria coloca sete países em risco de contaminação
 
Todo o ecossistema do rio Marcal, um afluente do rio Danúbio, directamente atingido pela maré vermelha de lamas tóxicas resultantes de um acidente industrial na Hungria, foi destruído devido à poluição. Outros sete países estão em risco de contaminação.
 

O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo chefe regional dos serviços anti-catástrofes, Tibor Dobson. “O ecossistema completo do rio Marcal foi destruído porque a taxa de alcanilidade muito elevada matou tudo”, declarou o responsável à agência noticiosa húngara MTI.

“Todos os peixes morreram e também não pudemos salvar a vegetação”, referiu, adiantando que “o Marcal recebeu a sua 'pena de morte' quando a lama vermelha entrou de repente pelo rio Torna”.

“Tentámos diminuir a taxa de alcalinidade do Marcal em vários pontos com gesso e ácido, mas em vão”, adiantou Dobson, sublinhando que o objectivo era diminuir a taxa de alcalinidade abaixo de 9 nos rios Raab e Danúbio para salvar aqueles ecossistemas. A taxa normal é oito, numa escala que pode ir até 14, acrescentou o mesmo responsável.

A poluição atingiu o braço principal do Danúbio às 12h locais (11h em Lisboa) e por enquanto não houve relatórios de peixes mortos naqueles dois rios.

Na segunda-feira, uma fuga de lamas vermelhas de um reservatório de uma fábrica de alumínio na cidade de Ajka (160 quilómetros a oeste de Budapeste) atingiu duas aldeias: Devecser e Kolontar. Este acidente industrial sem precedentes na Hungria já causou quatro mortos, incluindo uma criança de 14 meses, e mais de 120 feridos. Três pessoas continuam desaparecidas. 

Ao longo do percurso, através de vários rios, as lamas vermelhas diluíram-se na água e já não são visíveis a olho nu, devido, em parte, à utilização de agentes neutralizantes pelos bombeiros e operários.

Os países atravessados pelo rio (Alemanha, Eslováquia, Croácia, Sérvia, Bulgária, Roménia e Ucrânia) correm agora fortes riscos de contaminação. O Danúbio, que tem diferentes nomes consoante o país que atravessa, segue no sentido oeste-leste. A sua nascente situa-se na Floresta Negra, na Alemanha, pelo que esse país poderá estar livre de contaminação. Já grandes capitais europeias, como Viena, Budapeste e Belgrado - por onde o rio passa em direcção ao Mar Negro, onde desagua - encontram-se sob alerta.

A lama vermelha tóxica provoca reacções alérgicas em contacto com a pele e a morte, no caso de a água contaminada ser ingerida.

Na manhã desta quinta-feira, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, visitou Kolontar, onde considerou que a reconstrução das zonas mais destruídas da aldeia era muito problemática. "Infelizmente, tenho a impressão que qualquer esforço de reconstrução aqui, além da ponte, é inútil", declarou, segundo o Diário de Notícias.

"Provavelmente será preciso criar um novo território para os habitantes da aldeia e destruir esta parte da localidade para sempre, uma vez que é impossível viver aqui", acrescentou Orban.

Ver aqui as fotos que ilustram a dimensão deste desastre ecológico.

 
 
ver todos os artigos