A história não contada do acordo que sacudiu o Médio Oriente
 
Em três anos, membros do Fórum Palestiniano viajaram mais de 12 vezes a Damasco, ao Cairo, a Gaza e à Europa e várias iniciativas foram rejeitadas. Masri e seus companheiros negociaram directamente com o primeiro-ministro Hanniyeh do Hamas em Gaza. Por Robert Fisk, The Independent.
 

Encontros secretos entre intermediários palestinianos, agentes da inteligência do Egipto, o ministro turco de Relações Exteriores, o presidente Mahmoud Abbas e Khaled Meshaal, líder do Hamas – uma ida secreta a Damasco, contornando a cidade de Deraa, em rebelião – levaram à unidade dos palestinianos que tanto perturbou os governos de Israel e dos EUA. Em Maio, Fatah e Hamas puseram fim a anos de conflitos, com um acordo crucial para alcançar o reconhecimento internacional do estado palestiniano.

Várias cartas detalhadas, aceites pelos dois lados, das quais o The Independent tem cópias, mostram o quanto foram complexas as negociações. O Hamas também buscou – e obteve – o apoio do presidente sírio Bachar al-Assad, do vice-presidente Farouk al-Sharaa e de seu ministro de Relações Exteriores, Walid Moallem. Entre os resultados, há um acordo feito por Meshaal para pôr fim aos ataques com rockets do Hamas, de Gaza contra Israel – porque a resistência passaria a ser direito exclusivo do estado – e um acordo pelo qual o estado palestiniano reivindica fronteiras baseadas nas fronteiras de Israel em 1967.

“Sem a boa vontade de todos os lados, o auxílio dos egípcios e a aceitação pelos sírios – além do desejo dos palestinianos de se unirem, desde o início da Primavera Árabe –, não teríamos conseguido fazer o que fizemos”, disse-me pessoalmente um dos principais intermediários, Munib Masri, 75 anos. Foi Masri quem ajudou a estabelecer um ‘Fórum Palestiniano’ de independentes, depois de o Hamas ter alcançado extraordinária vitória eleitoral em 2006. “Sempre entendi que as divisões que se criaram seriam uma catástrofe e passámos quatro anos andando para a frente e para trás entre os vários partidos”, disse Masri. “Abu Mazen (Mahmoud Abbas) pediu-me várias vezes que mediasse os contactos. Começámos a encontrar-nos na Cisjordânia. Todos participaram. Reunimos muitas capacidades.”

Em três anos, membros do Fórum Palestiniano viajaram mais de 12 vezes a Damasco, ao Cairo, a Gaza e à Europa e várias iniciativas foram rejeitadas. Masri e seus companheiros negociaram directamente com o primeiro-ministro Hanniyeh do Hamas em Gaza. Adoptaram a chamada “iniciativa de troca de prisioneiros” de Marwan Barghouti, alto líder do Fatah, que está preso em Israel; então, com os ventos das revoluções na Tunísia e no Egipto, a juventude palestiniana, dia 15 de Março, exigiu que os partidos se unissem e pusessem fim à rivalidade entre Fatah e Hamas. Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel sempre se recusou a negociar com Abbas porque, dizia ele, os palestinianos estavam divididos. Dia 16 de Março, em discurso, Abbas disse que estava “pensando em ir a Gaza”. Masri, que estava presente, subiu numa cadeira e aplaudiu.

“Supus que o Hamas responderia positivamente” – Masri recorda. “Mas nos primeiros dois ou três dias depois do discurso de Abbas, a resposta foi negativa. O Hamas queria eleições imediatas e nada de diálogo.” Abbas partiu para Paris e Moscovo – para mostrar desagrado, aos olhos de alguns de seus associados. Mas o Fórum não desistiu.

“Redigimos um memorando – dissemos que íamos visitar os egípcios, para nos congratular com a revolução deles. Tivemos duas reuniões com o chefe da inteligência egípcia, Khaled Orabi – o pai de Orabi foi general do exército ao tempo do rei Farouk – e nos encontrámos com Mohamed Ibrahim, do departamento de inteligência.” O pai de Ibrahim tornou-se muito conhecido na guerra de 1973, quando capturou o oficial israelita de mais alta patente no Sinai. A delegação também se reuniu com assessores de Ibrahim, Nadr Aser e Yassir Azawi.

Sete membros de cada grupo palestiniano formaram a delegação que foi ao Cairo. Eis os nomes que, no futuro, estarão nos livros de história da Palestina: pela Cisjordânia, o Dr. Hanna Nasser (reitor da Universidade Bir Zeit e da comissão eleitoral central palestiniana); Dr. Mamdouh Aker (presidente da sociedade de direitos humanos); Mahdi Abdul-Hadi (presidente de uma associação política em Jerusalém); Hanni Masri (analista político); Iyad Masrouji (comerciante de produtos farmacêuticos); Hazem Quasmeh (dirige uma Organização Não Governamental) e o próprio Munib Masri.

O ‘lado’ de Gaza foi representado por Eyad Sarraj (que não pôde viajar ao Cairo por ter adoecido); Maamoun Abu Shahla (membro da diretoria do Banco Palestiniano); Faysal Shawa (comerciante e proprietário de terras); Mohsen Abu Ramadan (escritor); Rajah Sourani (militante árabe de direitos humanos, que não viajou ao Cairo); ‘Abu Hassan’ (membro da Jihad Islâmica, indicado por Sarraj); e Sharhabil Al-Zaim (advogado em Gaza).

“Esses homens passaram muito tempo discutindo com o alto escalão do serviço de inteligência do mukhabarat egípcio” – Masri lembra. “Nos encontramos com eles dia 10 de Abril, mas enviamos um documento antes de viajar. Por isso o contacto tornou-se tão importante. Em Gaza havia dois ‘lados’ diferentes. Falamos sobre a micro-situação, sobre os palestinianos presos em Gaza, sobre direitos humanos, sobre o bloqueio egípcio, sobre dignidade. Shawa dizia “sentimos como se não tivéssemos dignidade – e sentimos que a culpa é nossa”. Nadr Asr, do departamento de inteligência disse: “Vamos mudar tudo isso.”

“Voltámos às 19h, para nos reunirmos outra vez com Khaled Orabi. Eu disse: “Escute, preciso saber da vossa parte: a nova iniciativa agrada-vos, um pacote que é situação de ganha-ganha para todos? O caso da Palestina continua ‘quente’ no Cairo? Ele respondeu: “É processo meio longo – mas, sim, gostamos da ideia. Vocês conseguem pressionar os dois lados, o Fatah e o Hamas, e trazê-los para o projecto? Mas, sim, trabalharemos com vocês. Procurem o Fatah e o Hamas – e tratem tudo isso como assunto confidencial.” Nós aceitámos. Fomos falar com Amr Moussa (agora, candidato à presidência do Egipto pós-revolução) na Liga Árabe. De início, mostrou-se muito cauteloso – mas no dia seguinte, quando nos reunimos com a equipa dele, todos foram muito positivos. Dissemos: ‘Dêem uma chance à ideia’. Dissemos que a Liga Árabe foi criada para a Palestina, que a Liga Árabe tem papel importante em Jerusalém.” 

A delegação visitou também Nabil al-Arabi, no ministériode Relações Exteriores do Egipto. “Al-Arabi disse: ‘Posso chamar o ministro das Relações Exteriores da Turquia, que está no Egipto?’ O ministro veio e discutimos juntos a iniciativa. Ali descobri que o ‘novo’ Egipto estava muito confiante no sucesso da nossa iniciativa: eles quiseram discutir na presença da Turquia. Assim, discutimos todos juntos e eu voltei com os outros para Amã, às 21h.” 

O grupo foi à Cisjordânia, para relatar o que fora feito – “estávamos felizes, nunca antes nos sentíramos como naquele dia” – e informar a Azzam Ahmed (chefe do grupo do Fatah que trabalhava pela reconciliação) que o grupo se preparava para apoiar a iniciativa de Mahmoud Abbas sobre Gaza. “Tivémos sete grandes reuniões na Palestina para reunir ali todos os grupos e os independentes. Abbas já nos dera um aval presidencial. Conversei com Khaled Meshaal (líder do Hamas, que vive em Damasco) por telefone. Meshaal perguntou: ‘Abu Mazzen (Abbas) concorda com tudo isso?’ Respondi que a questão não era essa. Dia seguinte fui a Damasco com Hanna Nasser, Mahdi Abdul Hadi e Hanni Masri. Por causa dos problemas na Síria, tivemos de contornar Deraa. Tenho boa relação com Meshaal. Ele disse que havia lido o nosso documento – e que achava que valia a pena trabalhar sobre a ideia.”

O facto de que os dois lados quisessem saber o que o outro pensava da iniciativa, antes de decidir, era sinal de que persistia a desconfiança entre o Hamas e Abbas. “Meshaal perguntou-me: ‘O que diz Abu Mazzen (Abbas)?’ Eu ri e respondi: ‘Você sempre pergunta isso. Estou aqui para saber o que vocês querem. Encontrámo-nos com assessores de Meshaal, Abu Marzouk, Izzat Rishiq e Abu Abdu Rahman. Lemos e revimos o documento do acordo durante seis horas e meia. A única coisa que não arrancámos de Meshaal foi que o governo fosse constituído por acordo. Dissemos a ele que o governo seria governo de união nacional – sob a condição que teríamos de ser capazes de organizar e realizar eleições, levantar o bloqueio de Gaza e reconstruir Gaza, que tínhamos de obedecer à lei internacional, à Carta da ONU e às resoluções da ONU. Meshaal pediu três ou quatro dias. Aceitou que a resistência só aconteceria ‘na defesa do interesse nacional do país’ – e que teria de ser ‘aqlaqi’ – ética. Os ataques com rockets contra civis tinham de acabar. Noutras palavras: ele tinha de garantir que não haveria mais rockets de Gaza contra Israel.”

Meshaal contou a Masri e acompanhantes que estivera com o presidente Bashar Assad da Síria, com seu vice-presidente Sharaa e com o ministro sírio de Relações Exteriores Moallem. “Disse que queria o apoio deles – mas no fim, prevaleceu a palavra do povo palestiniano. Estávamos muito felizes – dissemos que ‘surgiu uma pequena brecha’. Meshaal disse: ‘Nós não vamos deixar vocês sem apoio’. Dissemos que levaríamos a palavra dele ao Fatah e aos independentes na Cisjordânia, e aos egípcios. Na Cisjordânia, o Fatah chamava a iniciativa de ‘iniciativa do Hamas’ – mas dissemos que não, a iniciativa é de todos. Dois dias depois, Meshaal disse que falara com a inteligência do Egipto e que eles estavam gostando do que tínhamos proposto.” 

As conversações foram bem sucedidas. Meshaal concordou com enviar dois de seus principais homens ao Cairo. A equipe de Masri esperava que Abbas fizesse o mesmo. Quatro representantes – dois de cada lado – viajaram ao Egipto dia 22 de abril. Um ano antes, quando houve um impasse entre os dois lados palestinianos, no Egipto, o regime de Moubarak tentara criar obstáculos ainda maiores para impedir qualquer reconciliação. Meshaal chegou a reunir-se, sem qualquer resultado, com Omar Sulieman – factótum da inteligência de Mubarak e o melhor amigo de Israel no mundo árabe – em Meca. Se alguém ainda duvidasse, ali se comprovou que Sulieman realmente trabalhava para os israelitas. Dessa vez, tudo foi mesmo muito diferente.

No dia que Abbas e Meshaal foram ao Cairo, foram os dois governos completos, excepto os dois primeiros-ministros rivais, Fayad e Hanniyeh. O Hamas declarou que, ao longo dos últimos quatro anos, os israelitas haviam roubado ainda mais terras em Jerusalém e construído mais colónias exclusivas para judeus na Cisjordânia ocupada. Meshaal irritou-se, quando supôs que não o deixariam falar no pódio, como os demais presentes – e falou, no evento. E o Hamas aceitou a fórmula sobre as fronteiras de 1967, consciente de que assim reconhecia a existência de Israel; aceitou também a referência à resistência; e também concordou em ceder mais tempo a Abbas, para mais negociações.

No momento em que o Hamas passasse a integrar o governo de união, estaria reconhecendo o estado de Israel. Mas se não integrasse o governo, ninguém reconheceria coisa alguma e não haveria acordo. “Não é justo dizer ao Hamas ‘faça isso ou aquilo’”, diz Masri. “Claro que a resistência é direito recíproco. Mas se o Hamas não se integrasse ao governo de união nacional, passaria a ser apenas um partido político, sem tribuna para dizer o que querem dizer. Os EUA, portanto, que se preparem para conhecer o Hamas activo na formação do governo. Esse governo respeitará as resoluções da ONU e a legislação internacional. Essa acção tem de ser mútua. Os dos lados perceberam que, por pouco, teriam perdido o barco da Primavera Árabe. Não foi trabalho meu – foi resultado da conjunção de muitos esforços. Não fosse pela mediação dos egípcios e pela boa vontade dos dois grupos palestinianos, nada teria acontecido.” No dia seguinte à assinatura do acordo, partidários do Hamas e de Abbas concordaram em deixar de prender militantes de um lado e de outro.

A história secreta da unificação dos palestinianos é assim revelada. A reacção de Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, à novidade – depois de ter-se negado a negociar com os palestinianos porque estavam divididos – foi decidir que não negociaria com Abbas, se o Hamas fosse integrado ao governo palestiniano. O presidente Obama virtualmente ignorou a iniciativa da unidade palestiniana.
Mas falar de “fronteiras de 1967” implica que o Hamas reconheça a existência de Israel; e a decisão negociada sobre a resistência implica o fim dos rockets de Gaza contra Israel. A disposição para subordinar-se à legislação internacional e às resoluções da ONU implica que a paz pode ser completada e que um estado palestiniano pode ser criado. Essa, pelo menos, é a opinião dos dois lados palestinianos.

O mundo esperará para saber se Israel rejeitará a paz, outra vez.


Artigo de Robert Fisk/The Indepedent. Tradução do Colectivo Vila Vudu/Rede Castorphoto.

 
 
ver todos os artigos