Praga: 40 mil contra plano de austeridade
A capital da República Checa viveu nesta quarta feira um dia de protestos. Os funcionários públicos de todo o país realizaram uma das maiores manifestações desde a queda do Muro de Berlim.

Nesta quarta feira, os trabalhadores da administração pública manifestaram-se na capital da República Checa contra os cortes que o governo quer fazer para o orçamento de 2011.

Segundo o site do jornal "Lidovky" (Povo), as estimativas da polícia indicam que cerca de 40.000 trabalhadores da administração pública, participaram num desfile com mais de 3,5 quilómetros. Os funcionários públicos manifestavam assim a sua oposição aos cortes orçamentais preconizados pelo governo do primeiro ministro Petr Necas, do partido conservador ODS (Partido Democrata Cívico). O governo pretende reduzir em 10% as despesas com a função pública, o que segundo os sindicatos significa um corte de 10 a 43% nos salários.

Na manifestação participaram os diferentes sectores dos trabalhadores da função pública, incluindo trabalhadores da saúde e da educação. No protesto integraram-se também bombeiros, polícias, funcionários dos serviços prisionais e até soldados. Os agentes da polícia transportavam um caixão, onde se lia “polícia morreu após uma grave doença”, e faixas com as palavras de ordem: “Menos dinheiro, mais crime” e “A tua segurança está em perigo”.

Artigos relacionados: 
 
 
ver todos os editoriais