Curitibanos reprovam o transporte coletivo
Uma pesquisa pioneira feita por estudantes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) comprovou o que os curitibanos sentem diariamente na pele: o transporte coletivo de Curitiba vai de mal a pior. Formandos de Engenharia Civil entrevistaram 2.036 usuários de ônibus das linhas de biarticulados da Capital e 75% dos entrevistados responderam que o serviço é insatisfatório, com classificações que vão do regular ao péssimo. Apenas 23% disseram que o sistema é bom.

A pesquisa dos estudantes Jean Carlos Alberti, Jhonnathan Preisner de Souza e Renata Neumann Perini analisou itens como acessibilidade, frequência, confiabilidade (se os ônibus cumprem os horários), conforto, tempo de espera, tempo no interior do veículo, baldeação, tempo total da viagem (incluindo o deslocamento até os pontos de ônibus), amenidade dos pontos de parada (a situação das estações-tubo), fluidez e segurança (em relação a acidentes). A professora que orientou o projeto, Márcia de Andrade Pereira, ficou surpresa com o resultado.

“Eu imaginava que o resultado seria ruim, mas não pensava que estaria nestas condições. Cada linha tem seu diferencial, umas são melhores em alguns quesitos e outras piores, mas no geral, a média dos ônibus expressos de Curitiba, onde A é ótimo e F é impraticável, ficou com classificação D, que é considerado ruim”, salienta a professora do Departamento de Transportes do Curso de Engenharia Civil da UFPR. Ela explica que a pesquisa foi desenvolvida com base no método de avaliação dos níveis de serviço, que influenciam diretamente na qualidade dos ônibus.

A pesquisa chegou à conclusão que o sistema, considerado modelo a nível nacional, está defasado e precisa de correções.

“Se não ocorrerem mudanças, o sistema permanecerá estagnado, causando sérios danos aos usuários, uma vez que o transporte público afeta diretamente a qualidade de vida da população”, concluíram os formandos em Engenharia Civil.

A professora orientadora da pesquisa critica a maneira como foram conduzidas as políticas voltadas ao transporte coletivo em Curitiba. Segundo ela, na atual situação o transporte público não atende a real demanda dos passageiros.

“O modelo, quando foi criado, foi extraordinário. Em todos os lugares se falava do transporte de Curitiba e ainda hoje ele é bem visto por pessoas de fora. O problema é que a percepção das pessoas não é essa, o sistema de transporte aqui é ruim. Temos que deixar de lado o título e implementar mudanças. O transporte em Curitiba parou no tempo”, constata Márcia de Andrade Pereira.

 
 
ver todos os editoriais