Greve geral na Grécia
A Grécia está paralisada por mais uma greve geral de 24 horas contra a política de austeridade. Transportes aéreos e ferroviários estão paralisados, escolas e universidades estão encerradas, nos estabelecimentos de saúde apenas funcionam os serviços mínimos. Milhares de pessoas concentram-se nas ruas de Atenas e de outras cidades. Na praça Syntagma a polícia lançou gás lacrimogéneo sobre grupos de jovens.Foto: Greve geral na Grécia, manifestações em Atenas - 5 de Outubro de 2011 - Foto de enet.gr

Esta greve geral é a primeira que se realiza após o Verão deste ano e está a ter uma elevada participação. O protesto foi convocado pelas centrais sindicais GSEE, dos trabalhadores do sector privado, e ADEDY, dos funcionários públicos, contra a política de austeridade imposta pela troika UE, BCE, FMI e seguida pelo governo de Papandreou.

Milhares de trabalhadores, estudantes e reformados concentraram-se nas ruas de Atenas e dirigiram-se à praça Syntagma, junto ao parlamento grego, com faixas com palavras de ordem como “apaguem a dívida” ou “os ricos que paguem”.

A polícia disparou granadas de gás lacrimogéneo para dispersar um grupo de jovens, que pretensamente, segundo as autoridades gregas, estariam a atirar pedras contra a polícia.

A greve geral paralisou os transportes aéreos, nenhum avião aterrou no aeroporto de Atenas, devido à greve dos controladores aéreos.

Todos os serviços públicos estão paralisados, escolas e universidades estão igualmente encerradas e no sector da saúde apenas funcionam os serviços mínimos. Os bancos estão também fechados, assim como estão paralisados os transportes ferroviários e marítimos. Em Atenas os transportes públicos só funcionaram para transportar as pessoas para a manifestação.

 
 
ver todos os editoriais