Europa - INE: Desemprego atinge 15%, recessão agrava-se ainda mais
Os números do INE relativos ao segundo trimestre do ano confirmam o desastre da política económica do governo da troika: o desemprego atinge o máximo histórico, a contração económica é a maior desde 2009 e o único país europeu com pior desempenho é a Grécia. Foto millo alpha/Flickr. Fonte: Esquerda.net
Artigo | 14 Agosto, 2012 - 12:44 Foto millo alpha/Flickr Os dados do Instituto Nacional de Estatística divulgados esta terça-feira revelam a maior queda do Produto Interno Bruto português desde o segundo trimestre de 2009. Entre abril e junho deste ano, a economia recuou 3,3%, aumentando em 1,2% a queda registada no trimestre anterior, comparada com igual período do ano passado. No que respeita ao desemprego, e apesar de se tratar do trimestre que beneficia do efeito sazonal por via das contratações para o período de verão, o agravamento atingiu novos máximos históricos. A taxa de 15% agora registada equivale a 827 mil trabalhadores desempregados, mais 152 mil que no segundo trimestre do ano passado. O valor mais alto do desemprego em Portugal situa-se na região de Lisboa, onde a taxa já atinge os 17,6%. Acima da média estão ainda o Algarve (17,4%), a Região Autónoma da Madeira (16,8%), a Região Autónoma dos Açores (15,6%) e o Norte (15,2%). Os valores mais baixos foram observados no Centro (11,2%) e no Alentejo (15,0%). No que respeita à estatística da população empregada em todo o país, comparando o número de trabalhadores empregados no primeiro trimestre deste ano com o mesmo período do ano passado, verifica-se uma diminuição de 205 mil postos de trabalho. No que respeita ao desempenho da economia, o INE afirma que "a redução mais acentuada do PIB foi determinada pelo comportamento da procura interna que registou um contributo mais negativo que o verificado no primeiro trimestre de 2012, com particular destaque para o investimento". O Instituto confirma o agravamento da recessão em que o país foi mergulhado desde o primeiro trimestre de 2011, com o PIB a não parar de cair desde então, somando já seis trimestres consecutivos. Este agravamento da situação da procura interna significa est6e indicador recuou nos últimos dois anos o equivalente a treze anos. “Em termos reais, voltaremos ao nível de procura interna registado no início de 1999, ou seja, de quando o euro foi introduzido. Em dois anos, esta importante medida da atividade económica irá regredir treze anos”, explicou à agência Lusa o economista Ricardo Cabral, da Universidade da Madeira. Para este economista, a austeridade que reequilibrou a balança comercial é “contraproducente e ineficaz”: “O resultado dessa austeridade toda será apenas uma redução das importações de cerca de um por cento do PIB de 2010 em termos nominais. Destroem-se 10 euros de atividade económica doméstica para conseguir reduzir as importações em um euro.” Comparando com a evolução da economia noutros países da zona euro, verifica-se que apenas a Grécia teve um desempenho pior, com uma queda de 6,2% do PIB em relação ao mesmo trimestre de 2011. Outros países com a economia a recuar foram a Itália (2,5%) e a Espanha (1%). No conjunto da zona euro, regista-se um recuo de 0,4% e se lhe juntarmos os restantes países da UE a queda é atenuada para 0,2%. Números que contrastam com o crescimento económico registados nos Estados Unidos (2,2%) ou no Japão (3,6%).
 
 
ver todos os editoriais