Islândia 10 X Brasil 0 - Recursos naturais da Islândia são património nacional
Referendo respondeu a seis questões que devem funcionar como base da nova Constituição. Além dos recursos naturais estavam em causa o acesso de independentes a lugares no Parlamento e o equilíbrio dos círculos eleitorais. Recursos naturais da Islândia ficam a salvo de privatizações ou venda a interesses estrangeiros. Foto de opalpeterliu Fonte: Esquerda.net
ARTIGO | 22 OUTUBRO Os cidadãos islandeses aprovaram por uma maioria de 82,5% a definição dos recursos naturais do país como "património nacional" durante o referendo que estabelece as bases da nova Constituição. Realizado no sábado, o referendo, considerado não vinculativo, incidiu sobre seis perguntas que devem funcionar como base da Constituição, em elaboração na sequência da bancarrota do sistema bancário provocada pela aplicação fundamentalista da doutrina neoliberal. A pergunta em que o sim foi esmagador, atingindo os 82,5%, foi exatamente a relacionada sobre o facto de os recursos naturais serem "património nacional", o que os coloca a salvo de privatizações ou venda a interesses estrangeiros. O tema é muito sensível para os islandeses, que ainda recentemente lançaram campanhas contra a candidatura do Canadá à energia geotermal e a compra de amplas zonas rurais por um grupo chinês. Os islandeses consideram ainda que as quotas de pesca, uma das grandes riquezas do país, devem ser ampliadas em benefício da população. Outros perguntas incidiram sobre o acesso de independentes a lugares no Parlamento, o equilíbrio dos círculos eleitorais de modo a que deixe de haver discrepâncias entre zonas urbanas e rurais, a convocação de referendos por 10 por cento dos eleitores. O estabelecimento de uma igreja oficial na Islândia foi o tema mais equilibrado, onde o sim atingiu 57 por cento. A média das respostas afirmativas às seis perguntas foi de dois terços (66,6 por cento). Foram às urnas 49 por cento dos eleitores, registo abaixo das expetativas, atribuído sobretudo ao facto de o referendo ser não vinculativo e haver dúvidas sobre as reações políticas aos pareceres tomados. A base constitucional foi elaborada por um Conselho de 25 cidadãos eleitos como representativos do país e que envolveram meios de comunicação social e redes sociais no processo. A necessidade de elaboração de uma nova Constituição surgiu dos grandes protestos nacionais através dos quais o país inverteu a sua política e adotou uma via própria de recuperação económica contrariando a política austeritária seguida pela UE e as instituições prestamistas internacionais. A Islândia é hoje um dos poucos países europeus em franco crescimento económico e com uma taxa de desemprego reduzida a cinco por cento. Notícia publicada no site do Grupo Parlamentar europeu do Bloco de Esquerda Desemprego na Islândia cai para 5% Islândia iniciou o julgamento do neoliberalismo TERMOS RELACIONADOS: Notícias internacional
 
 
ver todos os editoriais