Possível escândalo de corrupção envolve Nelson Jobim na Itália
Ex-ministro da Defesa no governo Lula, além de ex da Justiça na era FHC e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim é citado em acerto para a compra de 11 fragatas italianas. Segundo a promotoria de Nápoles, na Itália, a comissão seria de 11%, num negócio de 5 bilhões de euros, intermediado pelo político italiano Claudio Scajola, mas que não saiu porque as relações entre Brasil e Itália esfriaram com o caso Cesare Battisti. O total da propina prometida seria de R$ 1,4 bilhão. Do Brasil 247. A propina envolvida na compra de 11 fragatas italianas pelo ministério da Defesa era de 550 milhões de euros – o equivalente a R$ 1,4 bilhão de reais | Foto: Ramiro Furquim/Sul21
A propina envolvida na compra de 11 fragatas italianas pelo ministério da Defesa era de 550 milhões de euros – o equivalente a R$ 1,4 bilhão de reais. Na época, Jobim era titular do cargo, o qual foi deposto após uma série de críticas diretas à presidente Dilma Rousseff e às ministras Gleisi Hoffmann e Ideli Salvatti. O caso vem sendo destacado em toda a imprensa italiana e envolve o político Claudio Scajola, que seria a ponte com Jobim, que, no governo FHC, foi ministro da Justiça antes de ser indicado para Supremo Tribunal Federal, corte que também presidiu. Resta saber se, agora, o Ministério Público Federal irá requisitar o inquérito que corre na Itália para avaliar se um ex-presidente do Supremo Tribunal Federal também deve ser investigado por crimes como peculato e formação de quadrilha. Leia, abaixo, o noticiário da Radio Italiana: O ex-ministro italiano de Desenvolvimento durante o governo de Silvio Berlusconi, Claudio Scajola, está sendo investigado pelo suposto recebimento de comissões ilegais na mediação da venda de 11 embarcações ao governo brasileiro, informou a imprensa italiana, que, por sua vez, voltou a citar o ex-ministro de Defesa Nelson Jobim. Os jornais italianos publicam documentos ligados à investigação que está sendo realizada pela promotoria de Nápoles, a qual esmiúça as comissões ilegais sobre a venda de equipamentos de tecnologia aeroespacial e de defesa da Finmeccanica, empresa que é controlada em 30% pelo Estado Italiano, ao Panamá e Brasil. Neste contexto, o diretor-geral da Finmeccanica, Paolo Pozzesser, acabou tendo sua prisão decretada na quarta-feira (24), mesmo dia em que se soube que Scajola estava sendo investigado por seu envolvimento neste mesmo caso. Em relação ao caso Scajola, a imprensa local apresentou mais detalhes sobre o andamento das investigações e também publicou alguns trechos do interrogatório de Lorenzo Borgoni, um antigo responsável pelas relações institucionais da Finmeccanica, que enfatizou essa transação entre Itália e Brasil. Segundo Borgogni, ‘o canal entre Itália e Brasil era o próprio ministro Scajola, já que este, apesar de não ser titular da pasta de Indústria, tinha uma boa relação com o então ministro da Defesa do Brasil, Nelson Jobim’. ‘Se fechasse essa venda de 11 embarcações (cinco fragatas, cinco escoltas e um super navio de apoio), por um total de uns 5 bilhões euros, aproximadamente 11% deste valor seria destinado a Scajola, Massimo Nicolucci (porta-voz do ministro) e, inclusive, a Jobim’, publicou nesta quinta-feira os jornais Corriere della Sera e La Repubblica. O ex-presidente da Finmeccanica Pierfrancesco Guarguaglini, que renunciou ao seu cargo em dezembro de 2011 após a publicação de alguns escândalos vinculados a sua gestão, ‘estava disposto a pagar uma percentagem máxima de 3% do valor da venda’. ‘Esta percentagem seria paga através de um contrato estipulado com uma agência no Brasil e pago a um empregado que fosse indicado pelo ministro Jobim’, revelou os documentos desta investigação. A imprensa italiana também acrescentou que a venda dos navios não foi concluída porque a negociação acabou sendo interrompida por caso do esfriamento das relações entre Itália e Brasil, uma crise que surgiu após a concessão de asilo ao terrorista italiano Cesare Battisti por parte das autoridades brasileiras. ‘É verdade que falei com o presidente Lula e que encontrei três vezes o ministro da Defesa Jobim. Na Itália, havia crise e tentei vender as embarcações. Era meu dever ajudar o Fincantieri (os estaleiros da Finmeccania)’, afirmou Scajola, que em todas as entrevistas negou ter recebido dinheiro por isso. O jornal ‘La Stampa’ também publicou que Jobim, que após sua experiência política voltou a se dedicar à advocacia, ‘começou a rir’ após saber que seu nome estava sendo citado nas investigações da promotoria de Nápoles.
 
 
ver todos os editoriais